Audio tour

Audio tourAquário Nº 1 Zona alta do rio

Nas zonas mais altas do rio, a água é mais oxigenada, mais translúcida, mais fria e o fundo é pedregoso, apresenta seixos grandes, que vão ficando progressivamente mais pequenos por processos de transporte e erosão ao longo do percurso do rio.

As zonas altas do rio são o habitat ideal para os primeiros peixes que vamos conhecer que pertencem ao grupo dos Salmonídeos, que são da mesma família dos salmões. Neste aquário existem trutas e podemos observar duas espécies que têm histórias diferentes. Há uma truta que tem umas pintas escuras mais pequeninas e à medida que vai crescendo vai ficando com uma banda rosada ao longo do corpo. É chamada truta arco-íris e veio da América, tendo sido introduzida na década 50 do século passado, com um objetivo específico, que era aumentar a diversidade e promover a pesca desportiva. As introduções nessa época eram promovidas por entidades estatais quer em Portugal quer a nível europeu. Mais tarde, chegou-se à conclusão que a introdução de espécies em áreas diferentes da sua distribuição natural, ou seja, espécies exóticas, provoca mais prejuízos do que benefícios. Então, atualmente, é completamente proibido introduzir uma espécie exótica.

A truta arco-íris, dada à sua taxa de crescimento ser superior à espécie nativa, que é a truta fario, é também aproveitada para a aquacultura, que é a produção em cativeiro, para depois ser enviada para o mercado. Na nossa região temos a maior unidade de produção de trutas do país, que é em Paredes de Coura. Portanto, a truta que encontramos no supermercado é a truta arco-íris.

A truta fario, a truta comum, tem pintas escuras maiores e é a que existe em maior quantidade em toda a bacia hidrográfica, sendo muito procurada pelos pescadores desportivos. Todo o ciclo de vida da truta fario ocorre na água doce.

As trutas alimentam-se principalmente de insetos, chegando até a saltar para fora da água para caçar os insetos. Em termos tróficos, em termos alimentares, são predadores, alimentando-se de peixes mais pequenos e macroinvertebrados, principalmente de larvas de insetos.

A sua reprodução acontece principalmente no inverno em águas mais frias, e o substrato que observamos neste aquário, seixo, é importante para este processo de reprodução, sendo nele que elas constroem o seu ninho. A construção do ninho é feita com a ajuda da barbatana caudal e a parte ventral do corpo. Os peixes colocam-se numa posição inclinada e com um movimento lateral vão afastando, repetidamente, os seixos para fazerem o ninho, uma depressão no leito. Como na maior parte das espécies de peixes, a reprodução da truta é externa, ou seja, a fecundação ocorre na água. As fêmeas lançam os óvulos e os machos lançam os espermatozoides, formando-se o ovo, que vai ficar depositado no seixo. Como o seixo é irregular, a água passa facilmente e leva assim o oxigénio aos ovos.

Existe uma atividade humana que ocorre muito próxima de nós, na zona de Valença e na zona de Monção, que é a exploração de pedreiras. Uma das consequências dessa exploração é que muitos dos sedimentos finos vão para os ribeiros, ficando a água com aspeto leitoso. A deposição dos sedimentos finos, por questões de hidrodinâmica, sobre os seixos dos locais de desova, anula estas zonas de reprodução.

Fermate tour

Recensioni

Non esistono ancora recensioni

Scrivi una recensione per primo
A minimum rating of 1 star is required.
Please fill in your name.